9 de abril de 2015

nossos parabéns atrasados

Os nossos parabéns atrasados pela vitória do candidato, agora Presidente Rogério Silva à CM de Fronteira. Realmente vai com bastante atraso, mas mais vale tarde do que nunca.

A campanha foi, como diria..., porca...acho que é um bom termo, sem ofender a espécie suína, que näo tem nada a ver. Ouvi o debate na rádio e (agora que já passou tanto tempo, já ninguém se lembra) e foi no mínimo medíocre com certos apontamentos de comédia. 

Falo de memória, as palmas e apoios ao candidato do regime que levava uma autêntica claque de incondicionais, os assobios ao candidato da eterna e pobre oposição, a agressividade exacerbada e fora de tom do candidato da eterna e pobre oposição, as intervenções, algumas, pertinentes do candidato comunista.

Bem, mas já passou, e ainda bem...e que näo volte...

Por agora ficamos por aqui, vejo que há alterações no site da CM com mais conteúdos e informação. Ora muito bem! Talvez fosse também uma boa ideia era arranjar um traductor on-line para as mensagens do presidente... ou talvez näo...


Tentaremos voltar daqui a um ano. Ou mais...

23 de agosto de 2013

Os Candidatos

Primeiro de tudo as nossas desculpas aos 3 leitores de este espaço, por esta longa ausência. Tentaremos aproveitar a embalagem das autárquicas, que sempre animam um pouco a coisa, para dar um novo rumo à Última.

Para marcar este regresso iremos somente apresentar os candidatos até agora divulgados oficialmente pelos partidos.

Pois assim, temos pelo PSD Rogério Silva, pelo PS Fernando Mano, e pelo CDS Paula Almeida.

Divulgamos também a aplicação do jornal Público que permite comparar vários indicadores económicos e sociais dos diversos municípios. Como registo destaco os 849,1 habitantes por médico e a taxa de desemprego de 15,1% estando o máximo em 22,9%. Vale a pena espreitar:


3 de novembro de 2012

Falácias sobre a Produtividade


Se definimos a Produtividade como a produção por unidade de tempo, isto significa que quanto mais productos realizados em menos tempo, maior será a produtividade. P = número de produtos / tempo.

Neste sentido, podemos aumentar a produtividade ou produzindo mais, ou produzindo o mesmo em menos tempo. Isto consegue-se ou com inovação tecnológica, ou aumentando a motivação do trabalhador.

Mas então que significa aumentar as horas de trabalho, ou eliminar alguns feriados? Aumenta a produtividade? Não.

A explicação é simples, o trabalhador vai continuar a realizar o mesmo número de “produtos” por unidade de tempo, não vai produzir mais em menos tempo, porque não houve qualquer inovação no seu método de trabalho. A razão produto/tempo, continua a ser o mesmo, a produtividade não aumenta, simplesmente se mantém.

Então porquê esta história de aumentar o horário de trabalho, ou eliminar feriados? Abaratar os custos do trabalho. Esta é a razão. A única. 

7 de abril de 2011

Centro de Interpretação da Batalha dos Atoleiros



A Última Fronteira comemora assim o aniversário da Batalha dos Atoleiros, tão ignorada pelos nossos historiadores. Já a CM de Fronteira prefere comemorar a efeméride com a inauguração de um centro de interpretação da batalha dos atoleiros. Não questiono as boas intenções, e o valor didáctico da escolha, mas questiono até quando durará? Com que custo? Terá viabilidade económica? Não digo que não a tenha, mas será preciso imaginação, dedicação e muito trabalho, para que possa ser um projecto com êxito. Ainda assim, louvo a acção, essencialmente, na sua medida educativa. 

24 de fevereiro de 2011

Revolução pela Liberdade



Ao povo Tunisino, Egípcio e Líbio e a todos que lutam pela Liberdade.

9 de outubro de 2010

Mais blogues.

Alguns dos blogues que surgiram em 2008 e 2009 já cessaram a sua actividade.
No entanto, os sítios no blogger e os grupos do facebook sobre Fronteira continuam a surgir e em maior número que os "desaparecidos em combate".
Ultimamente descobri:
PS Fronteira, CabeçodeVide Online, Orgulho de ser Fronteirense, FronteiraVaiMudar e o Fronteira.
De todos estes destaco as galerias de fotos dos Orgulho de ser Fronteirense e do Fronteira, bem com a divulgação de eventos feita por este último. Bem-vindos à www.

Petição

Caros Amigos,

Acabei de ler e assinar a petição online: «Fim da atribuição, antes dos 65 anos, das pensões de reforma aos detentores de cargos públicos e políticos, bem como da sua acumulação»

http://www.peticaopublica.com/?pi=P2010N3117

Eu pessoalmente concordo com esta petição e acho que também podes concordar.

Subscreve a petição e divulga-a pelos teus contactos.

20 = 58 688 ???

Chegámos a falência Porquê????
VALORES MENSAIS!!!!!
PORQUE ESTAMOS NA FALÊNCIA??????

420.000,00 €TAP Administrador Fernando Pinto
371.000,00 €CGD Administrador Faria de Oliveira
365.000,00 €PT Administrador Henrique Granadeiro
250.040,00 €RTP Administrador Guilherme Costa
249.448,00 €Banco Portugal Administrador Vítor Constâncio
247.938,00 €ISP Administrador Fernando Nogueira
245.552,00 €CMVM Presidente Carlos Tavares
233.857,00 €ERSE Administrador Vítor Santos
224.000,00 €ANA COM Administrador Amado da Silva
200.200,00 €CTT Presidente Mata da Costa
134.197,00 €Parpublica Administrador José Plácido Reis
133.000,00 €ANA Administrador Guilhermino Rodrigues
126.686,00 €ADP Administrador Pedro Serra
96.507,00 €Metro Porto Administrador António Oliveira Fonseca
89.299,00 €LUSA Administrador Afonso Camões
69.110,00 €CP Administrador Cardoso dos Reis
66.536,00 €REFER Administrador Luís Pardal: Refer
66.536,00 €Metro Lisboa Administrador Joaquim Reis
58.865,00 €CARRIS Administrador José Manuel Rodrigues
58.859,00 €STCP Administrador Fernanda Meneses
3.706.630,00 €

51.892.820,00 €Valor do ordenado anual (12 meses + subs Natal + subs férias)
926.657,50 €Média Prémios
52.819.477,50 €

900,00 €Média de um funcionário público

58.688,31 - nº de funcionários públicos que dá para pagar com o mesmo dinheiro

6 de abril de 2010

Atoleiros de Hoje

Sou do Alentejo, desse Alentejo que não tem lugar e fronteiras definidas. Desse Alentejo que trazemos dentro. Podíamos ter nascido noutro lugar qualquer e ser mesmo assim deste Alentejo.



Hoje Fronteira, terra que me viu nascer, comemora a vitória de 1384 sobre os castelhanos. A batalha dos Atoleiros reforçou a independência de Portugal sobre Castela. Hoje volvidos 625 anos o Alentejo de fronteiras definidas é uma das regiões da Europa comunitária mais reprimida economicamente. Uma população cada vez mais idosa, a fuga dos jovens para centros com outras oportunidades e uma dependência quase total para a administração são factores preocupantes para uma região que lutou há 625 anos atrás bravamente pela independência nacional. É o resultado de politicas erradas e de obviamente de políticos errados, no mínimo errados.

Do outro lado da fronteira, tem-se assistido a um crescimento a todos os níveis surpreendente. A cidade de Badajoz é hoje um pólo de desenvolvimento e de criação de empresas, sem desvirtuar o valor extremeño. O Alentejo tem produtos e um valor intrínseco quer pela sua gastronomia, pela sua caça, pela sua paisagem ou pela sua arte de bem receber, que podem tornar-se numa região com um grau elevado de excelência. A Extremadura espanhola, é um bom exemplo de como se pode potencializar produtos autóctones conservando o património cultural e histórico.

É possível mais e melhor, mas para isso é preciso coordenação, organização e transparência, vectores nem sempre bem utilizados pelas pessoas que nos últimos anos têm estado á frente das instituições públicas. Passados 625 anos o Alentejo é hoje uma realidade bem afastada do sonho que os alentejanos tiveram, quando conseguiram uma vitória histórica para uma região e para um povo.

Nuno Margalho
(texto escrito e publicado em 06/ABR/2009)